Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação, Cultura e Esportes
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Procuradoria Geral
Relações do Trabalho
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 28/09/2017 - Última modificação: 02/10/2017 - 17:25
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Com as mãos na natureza, jovem aprecia inauguração de jardim sensorial da APAE

ASSOCIAÇÃO - Projeto visa estreitar a relação dos alunos com o meio ambiente



Implantado há nove anos no Município, a associação desenvolve trabalhos que têm, entre outras atividades, aulas voltadas à coordenação motora, intuitiva e experimental

Compartilhar:

Com os pés na terra, Beatriz Kimie Kida, de 16 anos, insiste em desbravar os sabores da natureza, que vão além dos preceitos de degustação tradicional, são experimentos com o uso dos sentidos: paladar, audição, aroma, textura. E provocar essas sensações pode levá-la a uma viagem de emoções. Um desafio que a Associação de Pais e Amigos Excepcionais (APAE) de Itanhaém propôs ao inaugurar, no último dia 27, em sua sede no Belas Artes, um jardim sensorial com plantas, folhagens e outras opções para aqueles que têm algum tipo de deficiência ou síndrome sentirem a natureza sob outra perspectiva.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

Confira as fotos

“Minha filha está desde o início do ano. Já frequentou a associação em outra Cidade, mas quando chegamos em Itanhaém ela só ficava na rede pública, porém no acompanhamento do Programa Cuidar a psiquiatra pediu para que ela frequentasse a APAE. Em nove meses, todas as pessoas têm relatado o desenvolvimento dela, está mais solta, mais prestativa”, conta a mãe Andreia Veiga Kida, de 47 anos, que trabalha como comerciante. A jovem Beatriz, que possui síndrome de down, é estudante da Escola Municipal Profª Silvia Regina Schiavon Marasca. “Os professores têm notado a evolução. Ela adora ficar aqui”.

Implantado há nove anos no Município, a associação desenvolve trabalhos que têm, entre outras atividades, aulas voltadas à coordenação motora, intuitiva e experimental. E há oito meses surgiu a ideia de construir um jardim sensorial com a finalidade de estreitar o contato dos 67 alunos – acima de 14 anos – com a natureza. “Temos estudantes com deficiência intelectual, autismo e síndrome de down. Muita gente tem sensibilidade nos pés. Por isso, montamos no espaço uma variedade de texturas: bola, areia, tampa de garrafa pet, madeira, pedra, liso, rústico – para pisar. Além disso, temos os aromas das plantinhas”, conta a presidente da APAE de Itanhaém, Berenice Rodrigues Ribeiro, de 47 anos. A Associação funciona de segunda a sexta, das 8h30 às 17 horas.


Palavras-chave: , , ,