Publicado em: 13/11/2017 - Última modificação: 14/11/2017 - 17:41
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Resultado positivo: média de Itanhaém no IDEB supera a nacional

EDUCAÇÃO - A média da Cidade no Ensino Fundamental I é de 6,2; resultado já ultrapassou a meta de 2019



O IDEB é principal indicador para medir a qualidade do ciclo básico do ensino brasileiro

Compatilhar:

O saldo positivo no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), que é o principal indicador para medir a qualidade do ciclo básico do ensino brasileiro, é decorrência de um trabalho sério realizado no Município há muitos anos. Atualmente, a média de Itanhaém no Ensino Fundamental I é 6,2; resultado que já ultrapassou a meta de 2019, que é de 6,1. Além disso, superou a média nacional e está perto da paulista. E os bons resultados não param por aí: 66% dos alunos obtiveram um bom desempenho em Língua Portuguesa e 61% em Matemática.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

Por meio da equipe pedagógica (diretores, coordenadores, assessores e professores) são realizadas ações sistemáticas de acompanhamento e intervenção nas escolas da Rede Municipal de Ensino. O principal objetivo é continuar aprimorando o processo de ensino e aprendizagem e, com isso, obter resultados cada vez mais positivos e significativos.

Mais da metade das escolas municipais (68,4%) obteve resultados positivos no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). São unidades que devem manter o crescimento para garantir o aprendizado de todos os alunos. Das 21 unidades de Ensino Fundamental I, 15 escolas evoluíram em Língua Portuguesa. Já em Matemática, foram 12.

Para acompanhar e monitorar as ações realizadas nas escolas da Rede Municipal de Ensino, são feitas avaliações iniciais, mapeamentos de leitura e escrita, visitas técnicas, seminários de educação e formações nas áreas de leitura e matemática.

Outro grande destaque do Município é o Programa Social Escolar, que foi criado em 2005 e tem como principal objetivo trabalhar diversas ações para a permanência do estudante na escola, além de combater os casos de desistência e evasão. Os agentes sociais escolares entram em ação quando um aluno começa a faltar demais às aulas para tentar descobrir, apurar e investigar o motivo da evasão.

Em 2005, quando o trabalho começou, a Cidade tinha em média 14 mil crianças na Rede Municipal de Ensino e mais de 300 casos de evasão escolar. Hoje, são mais de 18 mil crianças, mas apenas 16 alunos evadidos.

 


Palavras-chave: , , ,