Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação, Cultura e Esportes
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Procuradoria Geral
Relações do Trabalho
Relações Institucionais
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 25/01/2019 - Última modificação: 25/01/2019 - 16:35
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Historiadora lançará livro no Museu Conceição de Itanhaém neste sábado

LEITURA - “Ariú” é uma lenda de Peruíbe adaptada por Fátima Cristina Pires, que estará dando autógrafos no local a partir das 17 horas



Iniciativa faz parte da exposição “Caiçara e Seu Cotidiano” e será acompanhada por uma mostra de livros regionais

Compartilhar:

Neste sábado (26), o Museu Conceição de Itanhaém sediará o lançamento de uma obra para lá de caiçara, que revela a identidade e o início da colonização da nossa região. Trata-se de “Ariú”, uma lenda peruibense adaptada em livro pela historiadora Fátima Cristina Pires, também de Peruíbe. A iniciativa faz parte da exposição “Caiçara e Seu Cotidiano” e será acompanhada por uma mostra de livros regionais. Os autógrafos acontecerão a partir das 17 horas, e a feira ficará disponível das 11 às 20 horas. O local fica na Praça Narciso de Andrade, no Centro Histórico.

Siga a Prefeitura no FacebookInstagram e no Twitter

Ariú conta a história de uma indiazinha que morava em um aldeamento em Peruíbe e encontrou Leonardo Nunes, o primeiro jesuíta a pisar na capitania de São Vicente. A adaptação busca de forma lúdica mostrar a importância da história regional e revelar os personagens de uma lenda tradicionalmente conhecida por diversas gerações. Leonardo Nunes foi quem construiu as primeiras instituições de ensino para os nativos, órfãos indígenas e depois portugueses. A lenda foi escrita aproximadamente na década de 70, do século XX.

A história faz parte da emancipação do município de Peruíbe que aparece no contexto por meio do sítio arqueológico “Ruínas do Abarebebê”, local que foi pesquisado arqueologicamente entre os anos 1989 e 1991, no qual foram retirados vestígios arqueológicos que poderão comprovar diversas questões sobre a época.

A autora e historiadora Fátima Cristina Pires conta que a adaptação resgata a identidade e a origem da colonização da nossa região. O livro é infantojuvenil, publicado em 2016 e conta com ilustrações de Léa Camargo, que também é de Peruíbe. Pires é pós-graduada em Patrimônio Cultural e Mestre em Educação, ministra aulas em faculdades do Vale do Ribeira e da Baixada Santista, é curadora de exposições de artes com cunho histórico, além de dar palestras sobre história regional e patrimonial.

 


Palavras-chave: , , ,