Publicado em: 02/10/2019 - Última modificação: 10/10/2019 - 08:05
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Articulação entre municípios amplia modelo de gestão de resíduos

CUIDADOS - Cada município poderá escolher a melhor maneira de desfazer-se de seus rejeitos corretamente, obedecendo as demandas locais



No total, a pesquisa levou a 11 modelos de plantas a serem escolhidos pelos municípios

Compartilhar:

Uma das maiores questões que põe em risco o bem-estar do meio ambiente é o acúmulo de lixo e seu descarte indevido. Pensando nisso, a Câmara Temática de Meio Ambiente, composta por secretários de Meio Ambiente das nove cidades da Baixada Santista, junto com a Agência Metropolitana da Baixada Santista (AGEM) e o Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FEHIDRO), iniciou o Plano Regional de Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Com isso, cada município poderá escolher a melhor maneira de desfazer-se de seus rejeitos corretamente, obedecendo as demandas locais.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram, no Facebook e no Twitter

A planta ideal para o descarte de lixo seria composta por um biodigestor e um aparelho de eliminação térmica. Ambos produziriam energia elétrica, e os rejeitos finais seriam encaminhados a um aterro especial que não agrida o ecossistema. Além deste, existem outras dez opções de sistemas com alterações para diferentes espaços e verba disponível.

Leia mais
Exposição ‘Arte de Reciclar pela Arte’ reúne esculturas feitas de papelão até hoje
Instituto cataloga acervo de conchas no Centro de Educação Ambiental

De 2017 a 2018 foi feito um levantamento de dados em todas as cidades sobre a quantidade e as características do lixo produzido. No total, a pesquisa levou a 11 modelos de plantas a serem escolhidos pelos municípios.