Publicado em: 19/07/2017 - Última modificação: 21/07/2017 - 10:55
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Expedição na ‘Ilha das Cobras’ verifica condições do solo

AMOSTRA - O intuito é de recuperar as áreas degradadas da Ilha da Queimada Grande e preservar a jararaca-ilhoa



Localizada a 35 km da costa continental de Itanhaém, a Ilha Queimada Grande é conhecida justamente pela espécie endêmica

Compatilhar:

No fim do mês de junho, o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, realizou uma expedição para a Ilha Queimada Grande, conhecida como ‘Ilha das Cobras’ pela grande população de jararacas-ilhoas. O intuito foi de coletar uma amostra de solo, visando a recuperação das áreas degradadas do local e a preservação da espécie, uma das cobras mais raras e perigosas do mundo.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

O técnico em agropecuária Paulo Pantel, que trabalha no Departamento de Agricultura, acompanhou o grupo, que tinha mais quatro pessoas – incluindo membros do Instituto Butantan. A análise do solo leva a qualidade e as condições adequadas de sustentação para as espécies arbóreas. A profundidade determinará as condições para manter essas espécies.

“Esta foi a primeira vez que eu visitei o local. Foi mais uma passagem, uma história a ser contada para meus netos. É um lugar que você realmente tem que ficar atento, não pode ficar passeando como em qualquer outro. Tem sua dose de perigo”, disse Paulo.

ILHA DAS COBRAS – Localizada a 35 km da costa continental de Itanhaém, a Ilha Queimada Grande é conhecida justamente pela espécie endêmica (que só pode ser encontrada neste local). Por conta disso, foi listada pelo jornal britânico Telegraph como “uma das ilhas mais perigosas do mundo”.

A estimativa é de que 2 a 4 mil cobras habitem atualmente a ilha, de acordo com artigo publicado em 2008 pela Sociedade Brasileira de Herpetologia, de autoria de Márcio Martins, Ricardo J. Sawaya e Otávio Marques. A espécie na categoria “criticamente em perigo”. Por conta disso, o desembarque e a pesquisa na ilha são restritos, sendo necessária autorização prévia do ICMBio.

 


Palavras-chave: , , ,