Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação, Cultura e Esportes
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Procuradoria Geral
Relações do Trabalho
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 23/11/2017 - Última modificação: 28/11/2017 - 17:39
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Gelo no Brasil? Alunos da EM Harry Forssell aprendem sobre Jogos de Inverno

METODOLOGIA - A novidade despertou a curiosidade dos jovens, que aprendem a lidar com esportes pouco conhecidos do público



Maquetes foram elaboradas por alunos do 8º ano da EM Harry Forssell, no Jardim Oásis

Compartilhar:

Muito além da prática de atividades corporais, a Educação Física é utilizada pelos professores para transmitir conhecimento sobre modalidades esportivas. Na Escola Municipal Harry Forssell, no Jardim Oásis, as crianças têm contato com diversas práticas pouco conhecidas do público em geral. É o caso dos esportes de inverno, que foram tema de um trabalho com maquetes para alunos do 8º ano.

Confira as fotos

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

Para o professor Diego Jabois, que já está acostumado a introduzir esse tipo de modalidade, a novidade despertou a curiosidade dos alunos. Antes, ele havia transformado a escola em um polo de badminton e inserido aulas de beisebol, softbol e hóquei na grama. “Os Jogos Olímpicos de Inverno acontecem no mesmo ano da Copa do Mundo, o que faz com que perca espaço na mídia. Por isso, a maior parte dos alunos não conhecia”, disse. No ano passado, tinha sido a vez dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, ambos sediados no Rio de Janeiro em 2016.

Ainda que o Brasil seja um país considerado tropical e essas práticas não façam muito sucesso, desde os Jogos de 1992, em Albertville (França), pelo menos um atleta representa o país na competição. Na última edição, em 2014 na cidade de Sochi (Rússia), foram 13 participantes. No ano que vem, Pyeongchang (Coreia do Sul) sedia as atividades entre 9 e 25 de fevereiro.

“Os garotos não buscaram apenas representar esses esportes na maquete. Eles fizeram uma pesquisa, viram quais são os países que costumam participar. Não foi fácil, são alunos de 8º ano, não estão acostumados com gelo e neve. Duas modalidades tomaram conta do imaginário deles: o snowboard, por conta da similaridade com surf e skate, e o hóquei, que tem alguns elementos parecidos com o futebol, como o gol. Aos poucos, eles foram demonstrando interesse pelo bobsled e da patinação artística”, conta Diego.

Os alunos foram divididos em turmas de sete, envolvendo as quatro salas de 8º ano da EM Harry Forssell. As tarefas foram divididas: alguns têm mais habilidade para pintar, cortar e colar; outros ficaram responsáveis pela pesquisa e apresentação. A maioria das tarefas foi executada em sala de aula, alguns trouxeram itens que fizeram em casa. No final, eles farão uma prova sobre o assunto.

“Hoje, eles têm um conhecimento muito amplo sobre esportes. Inclusive, o fato de terem estudado o hóquei no gelo, por exemplo, fez com que os alunos se interessassem mais pelo hóquei de grama, uma modalidade que a gente tem total interesse em ensinar na prática”, explica o professor.

Os próprios garotos contam sobre a experiência. Gabriel Elias e Raylan Gonçalves, ambos de 14 anos, fizeram uma maquete de snowboard. “A gente aprendeu muito, porque tivemos que pesquisar como é montado, a história do esporte. Ano que vem, vamos tentar assistir um pouco dessas modalidades, ver um pouco daquelas que não chegaram ainda ao nosso conhecimento”.

Outros grupos preferiram esportes plasticamente mais atraentes, como a patinação. Stefanie Rodrigues dos Santos e Giovanna Zuco Monzillo, ambas de 13 anos, participaram de um grupo só de meninas, que montaram tudo com o máximo de cuidado. “Começamos pelos bonecos e depois montamos a base. Então veio a ideia de usar o spinner, para dar interatividade à maquete, fazendo com que os bonecos girem”, disse Stefanie. “Colocamos também uma iluminação, para ficar mais parecido com as arenas de verdade”, completou Giovanna.

Se até os esportes mais famosos dos Jogos Olímpicos de Inverno já são pouco conhecidos dos brasileiros, o que dizer do curling, por exemplo? João Pedro Oliveira, de 13 anos, e Matheus Rodrigues Rantighiere, de 14 anos, aceitaram o desafio. “Antes de escolhermos o nosso tema, o professor Diego mostrou alguns vídeos, o que despertou a nossa curiosidade. Estudamos as regras do esporte e até mesmo os tipos de lançamento”. Apelidado em terras tupiniquins de “bocha no gelo”, o esporte da vassoura é um dos mais antigos, com prática desde o século XVI.


Palavras-chave: , , , , , , ,