Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Relações do Trabalho
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 20/03/2018 - Última modificação: 23/03/2018 - 19:15
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Síndrome do amor: muito além da inclusão nas escolas municipais

ACOMPANHAMENTO - Município conta com uma equipe composta por 220 pessoas, entre professores de educação especial e profissionais de apoio (estagiários)



Trabalho de educação inclusiva é realidade nas escolas municipais e garante a permanência do aluno com deficiência em sala de aula do ensino regular

Compatilhar:

Cheios de graça. Com quase um ano de idade, Thiago Franco Moreira dos Santos, do maternal, é sorriso para cá e para lá. Seu passatempo predileto é ficar no colo da professora e brincar com os coleguinhas. O mesmo se repete com a aluna Lorena Nascimento Carpinelli, da pré-escola, que esbanja carisma e doçura por onde passa. O que ambos têm em comum? Além de serem alunos da Rede Municipal de Ensino, possuem a síndrome de down, citada por alguns como a síndrome do amor, devido ao excesso de carinho que têm pelo próximo.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

Confira as fotos

Dia Mundial da Síndrome de Down

“A Lorena mudou bastante depois que entrou na escola. Ela está mais esperta, fala com todos, brinca com todos”, conta orgulhosa a mãe Olga do Nascimento Carpinelli. “Quando descobrimos que ela ia nascer com síndrome de down, ficamos preocupados. Mas conversando com os médicos, eu acabei colocando ela na creche. E desde então, ela se desenvolvem cada vez mais. Minha filha adora pintar e a nos ensinar a ler e a escrever”, conta aos risos. “Lorena é carinho, é sinônimo de muito amor”. A menina é aluna da EM Profª Maria da Penha Correa Sanches.

O trabalho de educação inclusiva é realidade nas escolas municipais e garante a permanência do aluno com deficiência em sala de aula do ensino regular. Hoje, a inclusão já passa dos 400, sendo deste total 20 crianças com síndrome de down. Na maioria dos casos, os estudantes recebem acompanhamento em classe por profissionais da área. O Município conta com uma equipe composta por 220 pessoas, entre professores de educação especial e profissionais de apoio (estagiários), que participam de encontros e capacitações nas áreas da educação inclusiva.

“Descobri que o Davi tinha síndrome de down só depois que ele nasceu. Desde o início pensei em deixá-lo na escola para torná-lo uma criança mais independente. Hoje, eu vejo o mundo diferente. As crianças dão o exemplo que muitos adultos não praticam, mas deveriam”, ressalta a mãe do aluno Davi Fortes de Souza Santos, da pré-escola, Juliana Fortes de Oliveira Santos.

A atuação da educação inclusiva, que já existe há 19 anos, começou a ganhar força em 2005, com o surgimento de uma equipe especializada no segmento, oferecendo atendimentos periódicos nas escolas. Em 2008, as salas de recursos começaram a ser montadas, e o trabalho do AEE se desenvolve como uma ferramenta imprescindível na formação do aluno.


Palavras-chave: , , , , ,