Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Relações do Trabalho
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 06/04/2018 - Última modificação: 13/04/2018 - 10:55
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Mãe de primeira viagem…

HISTÓRIA - Nas USFs, as mulheres são acompanhadas mensalmente até a 28ª semana de gestação, quando as consultas vão ficando menos espaçadas ao longo da gravidez



Secretaria Municipal de Saúde realiza as consultas de pré-natal e acompanhamento rigoroso das gestantes em todas as Unidades de Saúde da Família (USFs)

Compatilhar:

A palavra mãe vem do latim ‘mater’ e significa leito de rio, útero, terra mineral. Quem está à espera de um bebê sabe bem como este momento mexe com as emoções. É exatamente o que Carolina Ferreira Fructos Menezes, de 20 anos, tem descoberto nos últimos meses quando soube da gravidez, entre outras palavras, que se tornará mãe de primeira viagem. “Agora, tudo é para o bebê. Não sei o sexo, mas isto não é importante. O que quero mesmo é que ele – o bebê – nasça com saúde”, conta Carolina, que está se adaptando à nova rotina.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

“Não vou mentir que foi um descuido, mas ele virá ao mundo com muito amor. Dá medo, lógico, será o meu primeiro filho, no entanto, prometo que serei a melhor mãe do mundo. Moro com minha tia, coincidência ou não, ela também está grávida, então, em casa, serão duas crianças. As mudanças já começaram, fisicamente, com o meu corpo, e também psicologicamente. Quando saio de casa, o que vem à mente é ele, tudo é para ele”, endossa com um sorriso tímido.

Carolina conta que no Dia das Mães, em 13 de maio, o bebê não estará em seus braços já que a expectativa é que a criança nasça no mês de setembro, mas ela cogita celebrar a data antes do tão esperado momento. “Embora não esteja com o meu filho nos braços, já me considero mãe. Não posso dizer que não estou assustada, claro que estou, mas a maternidade está me fazendo refletir, uma experiência incrível. Só quem passou por isso é capaz de imaginar”, ressalta Carolina, que é assistida pela rede básica de saúde desde os primeiros meses de gravidez.

Nas USFs, as mulheres são acompanhadas mensalmente até a 28ª semana de gestação, quando as consultas vão ficando menos espaçadas ao longo da gravidez. A partir da 36ª semana, o acompanhamento é semanal. Depois de nascidos, os bebês são acompanhados uma vez ao mês até completarem 6 meses de vida. Após este período, a consulta acontece a cada 2 meses, e as crianças de 1 a 2 anos passam no médico a cada 3 meses. Até os 5 anos, elas são acompanhadas uma vez ao ano, na data do aniversário.

A Secretaria Municipal de Saúde realiza as consultas de pré-natal e acompanhamento rigoroso das gestantes em todas as Unidades de Saúde da Família (USFs), com o profissional de enfermagem e um médico até o parto. Nos encontros, as gestantes tiram dúvidas sobre as etapas da gravidez e recebem informações sobre a mudança do corpo e a saúde do bebê. Após o parto, nos primeiros meses, mães e recém-nascidos são acompanhadas pela equipe de saúde.

CESCRIM – Quando há risco para a criança, a Unidade de Saúde encaminha a gestante para o Centro Especializado na Saúde da Criança e da Mulher (Cescrim) para o cuidado com a saúde da mulher e da criança com atendimento de pré-natal de alto risco, referência em ginecologia, colposcopia, inserção de DIU, prevenção de câncer de colo do útero e mama, psicologia, primeira consulta do bebê, método canguru, incentivo e apoio para o aleitamento materno, fonoaudiologia (em crianças de 2 a 11 anos).


Palavras-chave: , , , , ,