Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação, Cultura e Esportes
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Procuradoria Geral
Relações do Trabalho
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 14/09/2018 - Última modificação: 19/09/2018 - 16:19
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Encontrou algum animal marinho debilitado na praia? Saiba o que fazer

CONSCIENTIZAÇÃO - É preciso cuidados específicos quando encontrados em estado delicado



Ao observar um animal na praia, independentemente do estado, é necessário chamar o órgão responsável, por meio do telefone (13) 99711-4120.

Compartilhar:

Os animais marinhos navegam pelas águas em busca de diversos motivos como um bom lugar para se reproduzir ou quando estão em busca de águas mais quentes. Nestas viagens muitos acabam se machucando por se enroscarem em resíduos que são depositados irregularmente no mar, outros ficam fracos e, assim, acabam na beira da praia e lá são encontrados pela população que não tem o preparo correto para agir neste tipo de situação. É necessário saber o que fazer para não prejudicar a saúde frágil do bicho.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

Diariamente no Município são encontrados animais marinhos em diferentes estados. Segundo a integrante do Instituto Gremar, Rosane Farah, eles aparecem na faixa de areia por estarem cansados e fracos devido à viagem que provavelmente estariam fazendo ou por algum ferimento causado por lixo depositado no mar.

Quando um animal vivo é encontrado, geralmente a população tenta o empurrar de volta para o mar. Porém, esta atitude é prejudicial à saúde do bicho que já se encontra debilitado e se for forçado a voltar para a água não conseguirá sobreviver independentemente.

“Um exemplo são as tartarugas marinhas. Nossa região não é área de desova, ou seja, elas permanecem o tempo todo na água e aproveitam o nosso costão, que é rico em alimentos. Então se há uma tartaruga encalhada na faixa de areia, ela está debilitada, e pode acabar vindo a óbito por asfixia hídrica, ou seja, afogada, caso a devolvam para a água, pois doentes, não possuem energia suficiente para subir à superfície e respirar”, explica Rosane Farah.

Sempre que for avistado um animal marinho encalhado na praia a atitude correta é não tocá-lo, manter distância e entrar em contato com o Instituto Gremar pelo telefone (13) 99711-4120, explicar a situação e informar a localização para que uma equipe possa ser enviada ao endereço e avaliar o animal.

GREMAR – O Gremar realiza diversas ações com equipes de monitoramento, resgate, reabilitação de animais em praias do litoral paulista, além de atividades de educação ambiental. Fundado no Guarujá, a instituição oferece cursos para profissionais da área de ciências biológicas, medicina veterinária, oceanografia e gestão ambiental. Atualmente a organização tem um centro especializado em tratamento de animais marinhos, o primeiro do Estado.

No ano de 2016 foi implantada em Itanhaém a Base de Reabilitação na Praia do Centro. O local conta com tanques para abrigar quelônias (répteis da ordem Chelonia, como tartarugas marinhas e de água doce, além de cágados que vivem em água doce) e pequenos mamíferos, e ainda um ambulatório para atendimento e recinto para aves. No Município a sede do Instituto fica na Avenida Presidente Vargas, 611, Centro.


Palavras-chave: , ,