Serviços
acessibilidade



Publicado em: 08/12/2018 - Última modificação: 16/11/2020 - 12:21
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Amor pelos gibis: aluno cria personagens inspirados em pessoas reais e sonha se tornar quadrinista

DESENHO - Para a criação tudo é muito simples: uma caneta na cor azul e um papel de sulfite gasto. Eles são matérias-primas para o ‘Herói do Bairro’, que já ganhou várias edições



Em casa, Victor gosta mesmo é de ler. Adora viajar nas histórias em quadrinhos

Compartilhar:

Um amor pelo universo dos gibis, uma aventura pelas histórias de super-heróis. O sucesso desses personagens rendeu franquias cinematográficas milionárias que se tornaram paixão hollywoodiana. Na imaginação do estudante da Escola Municipal Harry Forssell, Victor Silva Santos, de 13 anos, a viagem vai muito além dos protagonistas já conhecidos por grande parte do público, são amigos de infância que no papel ganham superpoderes e combatem a desigualdade e o mal. A série já tem cinco edições.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram e no Facebook

Em casa, Victor gosta mesmo é de ler. Adora viajar nas histórias produzidas pelo maior escritor de quadrinhos do mundo, Stan Lee, americano criador de personagens icônicos como: Homem-Aranha, Hulk, Homem de Ferro, Demolidor, Thor, Capitão América e X-Men. Lee faleceu aos 95 anos de idade, em Los Angeles, no mês de novembro. Porém, o seu grande sonho está mais perto do que se imagina: quer conhecer o criador da Turma da Mônica, Maurício de Souza.

“Eu adoraria conhecê-lo. Tento reproduzir os traços dele nos meus gibis, mas é muito difícil. Ele é uma inspiração para qualquer pessoa que queira seguir esta carreira, principalmente para mim. A minha mãe disse que quando era bem criança o meu pai trouxe um gibi e eu fiquei encantado. Mesmo sem saber ler, eu já lia”, brincou o jovem. Atualmente, quando não está na escola ou no projeto de contraturno de Itanhaém, a Casa da Criança, o menino dedica parte do tempo para desenhar e formular mais uma história que dará vida à série ‘Herói do Bairro’.

Os primeiros traços iniciaram aos 9 anos. Para a criação, tudo é muito simples: uma caneta na cor azul e um papel de sulfite gasto são matérias-primas para o ‘Herói do Bairro’. Aos poucos, linhas finas ganham diferentes formas, seguindo a narrativa proposta pelo garoto. “Gosto de desenhar e de criar histórias. Aproveito, sempre que posso, para reler os meus gibis”. Indagado sobre o que pretende fazer quando crescer, o menino é categórico: “Adoro os meus quadrinhos. Os personagens da minha história são pessoas reais”.


Palavras-chave: , , , ,