Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação, Cultura e Esportes
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Procuradoria Geral
Relações do Trabalho
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 11/02/2019 - Última modificação: 21/02/2019 - 08:46
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Vigilância orienta o que fazer ao encontrar macaco morto; animais não transmitem doença

INSTRUÇÃO - Ao encontrar um animal morto ou doente, é fundamental entrar em contato com a Vigilância Epidemiológica do Município pelo telefone (13) 3426-5105



Macacos não transmitem febre amarela para o ser humano. Estes animais são tão vulneráveis quanto o homem

Compartilhar:

Devido à ocorrência de casos de febre amarela por todo o Estado de São Paulo, além do aparecimento de macacos mortos na região, a Vigilância Epidemiológica de Itanhaém, divisão da Vigilância em Saúde, orienta os munícipes sobre qual procedimento ter quando encontrar macaco doente ou morto na Cidade. Ademais, esclarece posteriores dúvidas e explana falsas informações que circulam entre a população.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram  no Facebook e no Twitter

Macacos são as primeiras vítimas da febre amarela, por isso adoecem e morrem antes do ser humano. Em função disso, acabam por indicar onde a doença está circulando. Quando aparecem mortos em alguma região, é preciso saber os motivos. Se a resposta for positiva para a doença, é possível colocar a população local em alerta.

Qualquer pessoa pode ajudar a monitorar a febre amarela e outras doenças de animais silvestres. Essas ações colaboram na prevenção da saúde na Cidade e a conservação da biodiversidade. É importante saber que os macacos não transmitem a doença para o ser humano. Estes animais são tão vulneráveis quanto o homem. Quem transmite são os mosquitos que habitam nas matas e em locais ao redor das áreas florestadas.

Leia mais:

Verão, estação do calor e das chuvas, um alerta sobre a leptospirose; saiba como prevenir-se

 Vacinação é segura e população deve se proteger contra doenças infectocontagiosas

Após a Vigilância ter acesso ao animal, é possível fazer a coleta do material biológico e encaminhá-lo para o Instituto Adolpho Lutz, para avaliação diagnóstica e confirmação da presença do vírus da febre amarela, e, assim, alertar a população local.

Desde o mais recente início de surtos, em 2016, as denúncias têm colaborado para extinguir quaisquer possíveis epidemias. Contudo, muitas pessoas, sem o conhecimento, acabam até mesmo matando macacos, acreditando que eles são os responsáveis pela transmissão em humanos – nova ressalva – o que não é um fato.

ORIENTAÇÕES

Afinal, o que não fazer quando encontrar um macaco morto perto de casa? Não é recomendado em hipótese alguma enterrar o animal, pois todos os animais encontrados mortos precisam obrigatoriamente passar por avaliação para descobrir se a morte foi de ordem natural ou pela doença. É uma questão de segurança pública. Na possibilidade de encontrar nos finais de semana, a orientação é realizar contato com a Polícia Ambiental pelo telefone (13) 3422-3765, principalmente porque se tratam de animais silvestres.

Vale ressaltar também que jamais deve-se tirar o animal do local da morte e levá-lo para o convívio urbano, para não correr o risco do vírus, eventualmente, ser transmitido por outro mosquito que não seja o habitual. Se assim acontecer, o quadro pode deixar de ser uma epizootia – quadro em um único animal silvestre – e passar a um ciclo de febre amarela urbana, ou seja, uma epidemia na Cidade.


Palavras-chave: , , ,