Serviços
acessibilidade



Publicado em: 27/04/2019 - Última modificação: 16/11/2020 - 11:51
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

‘Minha Cidade’, arte criada por jovens da Fundação Casa, é exibida no Fórum até sexta

MOSTRA - A maquete e os quadros podem ser visitados das 12h30 às 18h30, na Avenida Rui Barbosa, 867, no Centro



A exposição é exibida no Fórum da Comarca de Itanhaém até o dia 3 de maio (sexta-feira)

Compartilhar:

 Padre José de Anchieta, Mulheres de Areia, Convento Nossa Senhora da Conceição, Morro do Paranambuco e Portal da Cidade. O que eles têm em comum? Todos foram inspiração para as obras de artes produzidas pelas mãos dos jovens internos da Fundação Casa. A exposição intitulada ‘Minha Cidade’ é exibida no Fórum da Comarca de Itanhaém até sexta-feira (3). A maquete e os quadros podem ser visitados das 12h30 às 18h30, na Avenida Rui Barbosa, 867, no Centro.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram, no Facebook e no Twitter

Jovens artistas retrataram nas telas a Cidade sobre suas perspectivas. Além dos quadros inspirados em monumentos e locais importantes do Município, há também três trabalhos produzidos de lápis e uma maquete simbolizando a comunidade em que muitos deles vivem, expondo a realidade que alguns munícipes desconhecem.

Os internos são adolescentes que estão na Fundação Casa cumprindo medidas socioeducativas. Umas das formas de reinserção social são as artes e a cultura. “Esta é uma forma de resgatar a cidadania desses jovens, pois possibilita que os adolescentes reflitam sobre o quanto a Cidade é importante para eles, mas também sobre o quanto eles são importantes para a sociedade”, ressalta a juíza Helen Cristina de Melo Alexandre.

Desde que assumiu a direção do Fórum de Itanhaém em fevereiro de 2018, a juíza Helen Cristina de Melo Alexandre abriu as portas do prédio para receber diferentes atividades artísticas. Lá, já passaram exposições de artes em tela de ex-funcionários e do artista plástico Ronaldo Lopes, que exibiu alguns quadros, além de mostras com as temáticas voltadas ao carnaval, consciência negra, fotografias, antiguidades e muitas outras.

“Deixar um espaço voltado à arte e à cultura, saindo um pouco dessa parte sisuda do poder judiciário é muito importante para trazer um olhar diferenciado para o Fórum”, acrescenta a juíza.


Palavras-chave: , , , , ,