Serviços
acessibilidade



Publicado em: 09/08/2019 - Última modificação: 16/11/2020 - 11:28
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Lutadora de jiu-jitsu de 12 anos já é campeã brasileira e busca reconhecimento internacional

PRODÍGIO - Com um pouco mais de um ano praticando a modalidade, a atleta já conquistou seis medalhas em competições



A atleta mirim Camila Lasmar com as medalhas de suas competições

Compartilhar:

O peso das medalhas não incomoda Camila Lasmar, muito pelo contrário, é um incentivo ainda maior para ela seguir em frente com os seus sonhos. A atleta, de 12 anos, já treinava judô desde seus sete anos. Há um ano e dois meses, começou a praticar o jiu-jitsu e já participou e ganhou medalhas em seis grandes torneios, entre eles, o Campeonato Sulamericano e o Mundial da modalidade.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram, no Facebook e no Twitter

O interesse pela luta surgiu desde cedo. “Sempre gostei de capoeira, mas não de lutar, de assistir. Na minha rua tinha um projeto de judô e eu entrei e acabei gostando.” Afirmou Camila. “Mais tarde entrei no jiu-jitsu, que também tem muitas finalizações como o judô, então as lutas se encaixam bem.”

A primeira competição de jiu-jitsu que participou foi a Copa Thor, apenas um mês depois de ter iniciado os treinos na modalidade. O treino anterior de judô ajudou bastante, pois já tinha uma noção de como esse tipo de luta funciona. Saiu de lá com a sua primeira de muitas medalhas que viria a receber em tão curto período de tempo.

Leia mais
Felipe Ruivo, talento local do basquete, ganha espaço entre os melhores do Brasil
Talento de família: irmãos campeões brasileiros de taekwondo sonham com olimpíadas

Depois dessa, já engatou em uma sequência de campeonatos como o Paulista, o Brasileiro, o Sulamericano, o Panamericano e o Mundial, levando medalhas e boas memórias pra casa de todos eles.

No Campeonato Sulamericano, não havia pessoas em sua categoria para competir, então ela lutou contra garotas mais velhas e mais pesadas, o que já aumentou o nível de dificuldade, mas mesmo assim ela conseguiu sair vitoriosa “Elas podiam até ser mais fortes, mas a técnica supera a força”, comentou.

O Mundial, que ocorreu no Ginásio do Ibirapuera, na cidade de São Paulo, foi a competição que a deixou mais nervosa. Suas oponentes estavam todas determinadas a levar o ouro para casa, tanto que em uma das lutas, mesmo após a finalização, a garota se recusava a bater no chão e juiz foi obrigado a encerrar a luta.

Para alcançar tais resultados, Camila se dedica aos treinos com afinco durante toda a semana, alternando entre as aulas de judô, jiu-jitsu e preparação física com um personal trainer para fortalecimento muscular. Além disso, conta com o constante apoio de sua família e senseis.

 Por mais que ela já tenha alcançado grandes conquistas, Camila ainda tem muitas perspectivas para o futuro. Assim que completar 16 anos, pretende começar a praticar o MMA (Mixed Martial Arts, Artes Marciais Mistas, em português). No judô, tem a ambição de ser campeã brasileira, feito que por enquanto só conseguiu com o jiu-jitsu. Para o ano que vem, ela vai focar mais em campeonatos de fora, para então poder ser reconhecida internacionalmente.


Palavras-chave: , , , , , ,