Publicado em: 18/02/2021 - Última modificação: 23/02/2021 - 15:15
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Dedicação e conscientização transformam lixo orgânico em um lindo jardim

EXEMPLO A SER SEGUIDO - Amantes da natureza, casal de aposentados viu no quintal de casa, o lugar ideal para construir um lindo jardim



Compartilhar:

Pensando num futuro melhor e uma cidade cada vez mais limpa, um casal que reside no Cibratel 2, resolveu transformar todo lixo que produz no dia a dia, em adubo orgânico, para cuidar do lindo jardim que construíram no quintal de casa.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram, no Facebook, no Twitter, no Youtube e no Flickr

O senhor Ângelo Gaban de 71 anos, e sua esposa dona Ângela, chegaram em Itanhaém há cerca de quatro anos. Antigos moradores da cidade de Osasco, encontraram em nossa região, o local perfeito para viverem em harmonia, tranquilidade e bem pertinho do mar.

Amantes da natureza, o casal de aposentados viu no quintal de casa, o lugar ideal para construir um lindo jardim. O ponto de partida, foi dar um destino adequado ao lixo que produzem, aproveitando a oportunidade para fazer o adubo orgânico utilizado na compostagem da adubação do solo.

 

Hoje o Jardim conta com mais de 10 árvores frutíferas, o casal exibe com orgulho os pés de jabuticaba, figo, amora, pinha, goiaba, acerola, mamão, além das pimentinhas dedo de moça e biquinho. O jardim também possui pé de urucum, araçá, ipê amarelo, orquídeas, roseiras, manjericão e muitas outras espécies de plantações.

Segundo o casal, a construção do jardim, começou assim que se mudaram para a cidade. Hoje com orgulho e alegria, podem desfrutar do resultado do jardim que conquistaram com esforço e dedicação. Segundo Ângelo, além de cuidarem do lixo orgânico, o casal também cuida dos recicláveis, separando adequadamente para serem recolhidos.

 

Para o secretário de Serviços e Urbanização José Renato Costa De Oliva, esse resultado que o casal conquistou, foi devido a conscientização de se dar ao lixo produzido, um destino adequado. Segundo Zé Renato, se todos tivessem esse mesmo pensamento, a cidade gastaria muito menos para administrar centenas de toneladas de lixo que o município precisa coletar todos os dias.

O custo do lixo doméstico é muito alto, hoje a cidade gasta milhões todos os anos, para cuidar da coleta, transbordo e ainda do aterro sanitário.