Época da Fundação


Informações, Fragmentos Históricos e Sermões” que viu um preso desafiar o algoz aos gritos: “Mata-me! Tens muito que te vingar de mim! Comi teu pai. Comi teu irmão! Comi teu filho! E meus irmãos vão me vingar e comer todos vocês”. Comer o inimigo era afirmar potência. O canibalismo exprimia a força do predador, na sua capacidade máxima. Para eles, os seres potentes eram devoradores.

Em 1553, o alemão Hans Staden naufragou em Itanhaém, e ficou nove meses na aldeia do cacique Cunhambebe, na região de Mangaritiba, Rio de Janeiro. Ele mesmo participou de uma expedição de canoa até Bertioga, em São Paulo, para capturar inimigos. Mortos e feridos foram devorados no campo de batalha e durante a retirada. Os cativos foram levados para a aldeia, para que as mulheres pudessem participar do ritual antropofágico.

A catequese dos brancos acabou com esse canibalismo guerreiro. O ritual pertencia a uma cultura estável, que foi desestruturada até em grupos mais arredios. De acordo com análises do Museu Indígena de Monte-Mor na urna funerária que hoje se encontra exposta na Casa de Câmara e Cadeia (Casa da Memória) os ossos são de um filho de Pajé que foi encontrado na época de uma das batalhas, estima-se que na época tinha entre 13 e 17 anos de idade após o falecimento, os tupis (tronco familiar chave) habitavam todo o litoral paulista, desde a época do descobrimento e dos primeiros colonizadores, dadas as informações obtidas em escritos de José de Anchieta, Frei Gaspar, etc.

Os índios praticam o que chamamos de economia de subsistência. Esse tipo de economia consiste na exploração e administração dos recursos materiais de um território com o objetivo apenas de satisfazer as necessidades básicas de sobrevivência. Assim, não havia a preocupação de conseguir mais recursos do que aqueles realmente necessários, e em cada aldeia era auto-suficiente. Esses grupos humanos viviam da agricultura, da coleta de frutos e plantas silvestres, de mariscos e ostras, além da caça e pesca. A mandioca era à base da alimentação em grande parte do litoral. Ao sul do Brasil, o milho representava o alimento mais importante. Os vários utensílios permitiram a execução das atividades de sobrevivência. As diferenças na realização das tarefas eram determinadas pelo sexo e pela idade dos integrantes de uma tribo. Os homens derrubavam árvores, abrindo clareiras, caçavam e pescavam. Preparavam objetos de pedra e madeira para a realização dessas tarefas. As mulheres plantavam, faziam cerâmicas e cuidavam da preparação da mandioca, que era transformada em bebida e em farinha. Esse trabalho com a mandioca ainda hoje é executado no interior do Brasil que consiste em ralar as raízes da mandioca, espremer a massa para extrair o suco do qual é feita a bebida fermentada, a massa é torrada e transformada em farinha ou bolos. A bebida feita de mandioca era chamada de cauim e a do milho chicha. Nas grandes festas que se realizavam, tomava-se muito dessa bebida.

Os índios faziam grandes vasilhas de cerâmica para o preparo das bebidas. Muitas vezes enterravam seus mortos dentro desses grandes vasos, que, reutilizados, eram transformados em urnas funerárias. Eles têm sido enterrados também em redes. Essas diferentes maneiras de sepultamento são variações culturais ligadas a épocas e regiões.

Os indígenas conheciam muito bem o seu território, o que foi de grande utilidade para os europeus. Somente a partir das suas informações é que os portugueses puderam confeccionar mapas de territórios recém-descobertos. Alem de caminhar muito, os índios eram bons navegadores e se deslocavam rapidamente por extensas regiões. Fabricavam canoas de grandes dimensões que carregavam uma grande quantidade de guerreiros. Assim, os índios chamados genericamente de tupis e guaranis eram os senhores de todo o litoral na época da chegada dos europeus. Os moradores mais antigos, cuja presença é evidenciada em sítios arqueológicos de toda a costa paulista, já tinham sido por eles expulsos para o interior; os tupis-guaranis tinham atingido esse modo de vida desde aproximadamente o ano 500 da nossa era – o que significa que a sobrevivência dessa cultura existe por mil anos – até a chegada dos europeus.

A guerra constante entre as tribos e a inimizade entre os principais grupos foram aproveitadas pelos europeus. Assim, os portugueses ficaram amigos dos tupiniquins, que eram os grandes inimigos dos tamoios e dos tupinambás, os quais se tornaram aliados dos franceses, que tentavam invadir o domínio dos portugueses. No sul do país aconteceu a mesma coisa: os grupos tupis se associaram aos portugueses, e os guaranis aos espanhóis. Na época do descobrimento e colonização, a população indígena era calculada em 4,5 milhões no território brasileiro.

O elemento português no Brasil encontrou-se numa região de baixa densidade demográfica. Além de muitos imigrantes portugueses, estabeleceram-se também muitos colonos vindos dos Açores e das ilhas de Cabo Verde. Portugal teria na época dos descobrimentos, pouco mais de meio milhão de habitantes, vivendo do comércio, das especiarias asiáticas, com agricultura insuficiente e nenhuma indústria importante. As guerras, as epidemias, as misérias, a expulsão dos judeus e dos mouros, bem como excursões náuticas, haviam diminuído a população do país.

Uma das expedições mais importantes foi à realizada entre 1501 e 1502, comandada por Américo Vespúcio, um navegador italiano. Vespúcio foi enviado por D. Manoel, rei de Portugal, com a tarefa de percorrer os lugares visitados no ano anterior por Pedro Álvares Cabral e elaborar documentos contendo informações sobre as novas terras. Américo Vespúcio é um personagem ainda misterioso, sobre o qual não se sabe muito. Mas, ao que parece, foi em razão de suas cartas, nas quais contava as maravilhas e as coisas exóticas vistas nas novas terras, que estas receberam o nome de América. Essas cartas tiveram grande repercussão na Europa, na ocasião, e eram lidas como hoje se lê um livro de aventura. Em 15 de fevereiro de 1502, o navegador atinge a região de São Vicente, seguindo dias após para o rio Jordão, (Uruguai), lá chegando em 20 de março de 1502. Sua primeira edição foi em uma de suas principais cartas que foi publicada na cidade de Florença, em 1505. A colonização significaria a transferência de pessoas com espírito aventureiro, dispostas a deixar Portugal e a viver uma vida nova em terra desconhecida. Para motivá-las, era necessário valorizar e divulgar a nova terra; daí a importância das primeiras expedições organizadas por Américo Vespúcio. Pela leitura das cartas de Vespúcio fica-se sabendo que, em 1502, toda a costa brasileira já tinha sido reconhecida e demarcada pelos portugueses. Alguns portugueses ficaram no Brasil e, em certos lugares do litoral, foram feitas construções para facilitar a atividade dos navios que vinham buscar produtos para serem vendidos na Europa, principalmente madeira e certos tipos de animais. Essas construções foram chamadas de feitorias, como nos casos das propriedades de Pêro Corrêa, no Porto das Naus em São Vicente, hoje Japuí; e Itanhaém, às margens do rio Itanhaém, através de João Castelhano Rodrigues.

Nos primeiros encontros, a relação entre portugueses e índios era amistosa e baseada no interesse pela troca de mercadorias. As mercadorias européias eram dadas como forma de pagamento pelo trabalho indígena. Cortar e carregar madeira, ou animais, até os navios valia um chapéu, uma camisa ou uma ferramenta. A relação entre as duas culturas começou a mudar a partir do momento em que aumentou o interesse europeu pela exploração da nova terra e houve necessidade de mais trabalho indígena. Os índios, que antes se ofereciam para buscar madeira e se divertiam com a troca de mercadorias, passaram a ser obrigados pela força a realizar aquela tarefa.

O rei de Portugal, que, em 1530, era D. João III, começou a ficar preocupado com as repetidas visitas dos franceses, que agiam como se fossem donos da terra. Assim, levado pela preocupação de garantir o seu domínio, o governo português começou a mudar de atitude. Houve então a decisão de iniciar a colonização do Brasil, com a criação de povoados e vilas, além da construção de engenhos e forcas. Dessa vez, o objetivo era se estabelecer definitivamente e não apenas freqüentar a costa para trocar mercadorias. Para fazer isso de forma mais rápida, o rei dividiu a terra do Brasil em grandes territórios, a serem doados a homens da nobreza de Portugal que tivessem espírito de aventura, dinheiro e disposição para construir uma nova vida, além de estarem acompanhados de uma grande quantidade de marginais recolhidos na Europa. Essa divisão de terra foi feita ignorando-se as nações indígenas existentes em toda a extensão da costa brasileira. As grandes faixas de território se estendiam para o interior, ainda desconhecido dos portugueses. Foi um loteamento realizado a partir do litoral, sem considerar os habitantes nativos. Nesse momento ocorreu uma mudança radical na relação entre portugueses e índios, pois a terra passou a ser objeto de disputa e o trabalho indígena tornou-se obrigatório. Esse processo de mudança foi se intensificando conforme o grau de contato entre as duas culturas. Houve, assim, em um primeiro momento, a troca de mercadorias de baixo valor por madeira e outros produtos. Depois, as mesmas mercadorias passaram a ser dadas em pagamento ao trabalho realizado pelos índios, que foi se tornando cada vez mais intenso, e, finalmente, o trabalho indígena passou a ser obrigatório, já que era necessário para a manutenção dos portugueses na nova terra. Essa mudança significou a substituição do escambo pela escravidão.

Os índios fugiram então para o interior, deixando suas antigas casas, para escapar dos trabalhos forçados e da situação de escravidão. Para se defenderem, começaram a ter com os portugueses uma relação de guerra, que tinha como objetivo a defesa do território.