Generic selectors
Resultados exatos
Buscar por títulos
Buscar por conteúdo
Buscar
Buscar em páginas
Filtrar por categorias
Administração
Assistência e Desenvolvimento Social
Comunicação Social
Desenvolvimento Econômico
Educação, Cultura e Esportes
Fazenda
Fundo Social
Gestão e Controle
Governo Municipal
Habitação
Leia Mais
Mais Notícias
Negócios Jurídicos
Obras e Desenvolvimento Urbano
Planejamento e Meio Ambiente
Procuradoria Geral
Relações do Trabalho
Relações Institucionais
Saúde
Sem categoria
Serviços e Urbanização
Trânsito e Segurança Municipal
Turismo
Publicado em: 17/05/2019 - Última modificação: 17/05/2019 - 09:02
comunicacao@itanhaem.sp.gov.br

Dentro ou fora do Município, pelo menos 25% das pessoas faltam em consultas e exames

CONSEQUÊNCIAS - Além de atrapalhar a resolução da demanda de atendimento do Município, com esta grande quantidade de faltas, há diminuição da oferta de vagas



Recomenda-se que a ausência seja justificada para a USF, caso não haja possibilidade de comparecer no dia da consulta ou exame

Compartilhar:

Para compreender a matemática da séria situação, basta dividir por quatro o número total de vagas disponibilizadas para a realização de exames nas referências fora do Município no último quadrimestre do ano passado – 2.387 vagas. Destas, foram 603 vagas desperdiçadas por ausências não justificadas com antecedência, segundo registros da Secretaria de Saúde. Deste modo, este ¼ passa a representar o número de pessoas que ficarão aguardando por novas oportunidades de serem atendidas.

Siga a Prefeitura de Itanhaém no Instagram, no Facebook e no Twitter

Além das faltas em exames, ainda segundo os registros, os números mostram que somente neste ano, até fevereiro, 712 pacientes de Itanhaém faltaram às consultas também. Qual seria a consequência disto? A coordenadora administrativa do Centro de Especialidades, Mirian Teixeira, ensina que: “as faltas levam à diminuição da oferta de vagas. Quem perde, além do próprio paciente, é a Cidade que fica impossibilitada de oferecer um serviço mais ágil à população”.

Leia mais
Epidemiológica promove semana estadual de coleta de pneus; colabore em um dos pontos
Combate ao Aedes: 15 minutos dedicados a medidas fáceis podem garantir a saúde da família

Outro ponto que vale a pena esclarecer é que, é consequência também voltar para o final da fila de espera, mantendo estática a demanda de espera por novas consultas ou exames, e até aumentando-a. “O problema não é faltar. É não justificar com antecedência. Desta forma, seria possível passar a vaga adiante e esta não seria inutilizada”, alerta Mirian.

Segundo a coordenadora de agendamentos internos, Valéria dos Santos Vilas Boas, também da Central Reguladora de Vagas: “os números crescem ainda mais quando se trata das vagas de consultas e exames ofertados pelo próprio Município, no CEMI”, afirma. O Centro de Especialidades Médicas de Itanhaém (CEMI), no primeiro quadrimestre deste ano, agendou 5.695 consultas, das quais faltaram 1.979 pessoas. Além disso, foram agendados 5.822 exames, dos quais faltaram 2.014 pessoas.

Foram pelo menos 34% de faltas nestes agendamentos internos. A coordenadora aconselha ainda que se deve justificar a ausência, caso não haja possibilidade de comparecer ao dia da consulta ou exame. Basta entrar em contato com a Unidade de Saúde da Família (USF) e informar. Desta forma, a equipe poderá remarcar e passar a vaga remanescente para outro paciente.


Palavras-chave: , , , , ,